terça-feira, outubro 13

Memórias do passado: O 18 de Novembro em Faro


15 comentários
Os confrontos num Farense-Porto de 1990
Os confrontos num Farense-Porto de 1990
Os confrontos num Farense-Porto de 1990
Os confrontos num Farense-Porto de 1990

Informação gentilmente cedida por Luís Rosa

Comments

15 comments to "Memórias do passado: O 18 de Novembro em Faro"

chills disse...
12:01 da tarde

ui, lembro-me de ter ido ver este jogo com o meu cota, ja la vao 19 anos.

Anónimo disse...
12:20 da tarde

he he, este era o inferno do S. Luis.

Anónimo disse...
12:40 da tarde

Não vi este jogo, que considero um grande roubo feito ao Farense, para não falar da carga policial exagerada, com invasão até do pavilhão onde se jogava uma partida de basket.
O Farense ficou com 3 jogos impedido de jogar no S. Luís.
Na jornada seguinte tivemos de jogar em casa emprestada, no Barreiro, no velhinho D. Manuel de Melo, contra o Sporting.
Fui ver, mas fui bem roubado.
A Federação vendeu mais bilhetes do que a capacidade do estádio.
Estive mais de meia hora na bicha para comprar um ( os sócios não podiam, devido à interdição, usufruir das regalias dos jogos em casa ).
Depois, a cerca de 5 minutos do jogo começar, foi-me impossível entrar no campo, tantos eram os adeptos, arriscando, eu e outros, a sermos vítimas de esmagamento.
Ainda tentei a porta da bancada principal, passei o 1º controlo, mas o 2º impediu-me de entrar.
Ainda expliquei o que tinha sucedido mas, com a presença da polícia, não houve hipótese.
Estava pelos cabelos e mandei tudo e todos à outra parte.
Enfim, fiquei o resto do jogo no Barreiro, mas o nosso Farense vendeu cara a derrota ( 1-0, na 2ª parte ).

F. Neves

Ferreira disse...
3:42 da tarde

Neste dia, fizemos uma espera com centenas de adeptos do SCF, ao Porto e ao árbitro, junto ao Pavilhao Sede.

Quando o autocarro ia a sair, a policia carregou para dispersar e começou a confusão,...

Pedras, gritos, sirenes e disparos, ouviam-se por todo o lado.

Abriguei-me num predio da Chasfa que tinha a porta aberta, e neste dia experimentei os efeitos do gás lacrimogéneo que é de facto dificil de suportar.

Creio que chegaram a atingir com disparos de bala de borracha um ou outro adepto, que tiverem de receber assistencia no Hospital.

Bons tempos em suma...

Já agora, e na sequência desta excelente busca histórica, vão buscar os recortes de imprensa de uns anos antes com o Sr. Alder Dante, e um roubo de Igreja em pleno S.Luis, também com o FCP.
Nesse dia, o filho do Sr. árbitro que é agora um ilustre comentador de árbitros na rádio, andava de cachecol do Porto ao pescoço...

Quando a malta soube, e depois do roubo escandaloso no jogo, a corda partiu-se....

Anónimo disse...
6:03 da tarde

Já viram,se houvesse claque e se os confrontos tivessem sido com uma claque,todos recriminariam... Como nessa altura não existia claque... mas houve confrontos com tudo e com todos, a recriminação passa a ser ao arbitro, aquele bandido!!!!

Interessante....

Anónimo disse...
7:18 da tarde

Estes comentários são muito interessantes.

Quando uma claque provoca ou é provocada originando desacatos com o intuito de defender o seu clube,são tudo e mais alguma coisa,desde bandidos,delinquentes,criminosos e por aí fora. É escusado de dizer que quem diz isto são os velhos do restelo,mas na altura deles quando a força policial era muito inferior e os desacatos tinham proporções muito maiores.já não havia problemas,todos falam de garganta cheia que era o inferno do S.Luis e que eram todos muito maus. Enfim...

É a hipocrisia a falar!!!


Pedro Guimarães

Anónimo disse...
7:40 da tarde

Era um gaiato nessa altura...mas lembro-me bem dos acontecimentos, o meu pai era director e passou as passas do algarve dentro do estadio constantemente apedrejado.os confrontos começaram, não em frente ao pavilhão sede mas sim na parte de trás do antigo peão, que era onde entravam os jogadores.
Toda essa extensão e para o lado do hospital estava apinhada por farenses revoltados...até que a policia cansada cansada de ser apedrejada cada vez que punha "os cornos" fora de porta , sai aos tiros. Gerou-se o pânico e deu tudo em fuga para o pavilhão...onde a policia entrou com gás de lacrimogenio, eu fui levado para dentro do estãdio pelo o meu pai e restantes diregentes que faziam os sócios fugir da policia por uma pequena porta de acesso ao estádio.
Este foi o ano 0 dos jogos contra o porto...mais
se sucederam.
Nesse tempo sim, o povo de Faro era bairrista, uno e defendia os interesses de Faro e do Farense...agora...os da claque, sendo os unicos que manteem vivo o espirito do inferno de S.Luis são uns hooligans, vândalos, nazis e envergonham o nome do farense...
Os Farenses estão ficando velhos.
Ainda estive presente no jogo contra o Sporting no Barreiro, contra o Benfica "2-2" em Setubal e união da Madeira no Montijo "0-0"
EXCELENTE POST

Galrito

Anónimo disse...
8:29 da tarde

Pronto lá vem a clake a baila, na kerem k falem da clake mas vem picar. Se bem me contaram na altura havia clake, só que juntamente com o resto do público faziam pressao nos arbitros como se passa nos outros campos. Nos jogos que vejo só vejo a clake a cantar e parece k nem se importa com o k se passa no jogo, por isso na há arbitro ke sinta medo

Anónimo disse...
10:15 da tarde

Lindo. Grandes farenses. É o elogio da violência no futebol.
Felizmente que o Farense é mais do que os seus adeptos.

Ferreira disse...
11:09 da tarde

Havia grupos de adeptos mas nao claque organiZada.
E sim a pressao sobre os jogadores adversarios e arbitros era a nossa forma de apoio.
Cantava-se menos, vibrava- se mais!

Anónimo disse...
4:45 da manhã

Vibrava-se mais???

1º que tudo explique-me lá o que é que o senhor tem contra as claques organizadas???


Depois,respeitando o amor e a euforia que voçês transmitiam à equipa na vossa altura,diga-me lá qual a diferença para os dias de hoje? É conveniente que não se esqueça que tivemos 1 ano sem equipa de futebol e começámos pela 2ª distrital!

Já agora gostava de saber onde voçês(adeptos tão fervorosos) andaram nestes anos onde sem ser a claque muito pouca gente acompanhava o clube. E dê-me exemplos de situações em que a violência que se passa connosco foi ao extremo da que relata estes artigos???

Nós não somos nenhuns anjinhos...nem queremos ser,mas acima de tudo há que respeitar quem lutou estes anos todos para que hoje possamos estar aqui neste blog a discutir o Farense...sim,porque para sua informação o Farense esteve morto e nós conseguimos resuscitá-lo...

Haja decência senhor Ferreira...


Fico triste por ver o que a idade faz às pessoas!!!

Ferreira disse...
9:59 da manhã

Meus caros anónimos e amigos, Farenses da claque,
reparem que nunca me ouviram falar mal da claque, nem nunca aqui disse que ela não era necessária.
È, e respeito muito o esforço que têm feito por acompanhar o clube.
Eu também o tenho feito desde sempre, mesmo na 2ª distrital, pelo que a recuperação iniciada é de todos, ...assim como a queda nos distritais também.

Dito isto, esclareço que apenas comentei a diferença nos anos 80 e principio de 90, para os tempos actuais, pelo facto de nessa altura não existir claque organizada as pessoas puxavam de outra forma - fosse com insultos, palmas, canticos de "farense, farense, farense", fosse com pressão junto da vedação do S.Luis - que era propício a este tipo de atitudes.

Não era nada de mais, era a forma de sentir e vibrar com os jogos.

Agora é um pouco mais a "frio", (e sim, a idade é outra), embora a claque contribua e bem, para aquecer o ambiente.

Continuem e não levem a mal as comparações com outros tempos.

Interior-Direito disse...
5:18 da tarde

Alma Algarvia e Pujança Moura, anyone?

ps - o luís rosa tem muitas pérolas, que se publiquem mais!

Interior-Direito disse...
5:24 da tarde

http://antonioboronha.blogspot.com/2009/04/memorabilia-vi.html

http://antonioboronha.blogspot.com/2008/08/estrias-da-bola-trinta-e-um.html

Anónimo disse...
10:38 da tarde

Demónios brancos...

Afinal parece que o Farense tem uma grande tradição de claques organizadas!

 

Copyright 2009 All Rights Reserved Blog Leões de Faro optimizado para 1280 x 768 px