sexta-feira, outubro 10

São Luís poderá ser...mina de ouro!


2 comentários
O presidente da Câmara Municipal de Faro diz que o Plano de Pormenor de São Luís, um dos entraves à venda do Estádio, poderá ser alterado a partir de Agosto. Compradores “só” têm de arriscar...

“O plano de pormenor a partir de Agosto de 2008 pode ser alterado, já passaram três anos desde a sua aprovação, mas para isso é preciso um impulso de alguém, seja do Farense ou de outro eventual interessado”.

As palavras de José Apolinário revelam que afinal, um dos principais obstáculos à venda do Estádio de São Luís (por causa do índice de construção relativamente reduzido), poderá ser desmistificado.

Apolinário é claro, no entanto, em afirmar que não se devem criar expectativas de curto prazo, uma vez que uma alteração possível do Plano de Pormenor demorará sempre mais de 18 meses: “Quem estiver interessado nesse plano terá de arriscar e comprar dentro das condições actuais porque são as que resultam actualmente da utilização dos instrumentos de planeamento”, afirma, em entrevista ao Observatório do Algarve.

Negando ter-se alheado do processo da venda do Estádio de São Luís, Apolinário justifica algum afastamento pelo facto de, apesar de a autarquia ser a proprietária dos terrenos onde o Estádio se encontra (o que faz com que não possam ser penhorados pelas Finanças), a alienação estar a cargo da Comissão de Venda: “Cada coisa no seu lugar. O processo de venda é conduzido pelo Farense e por uma comissão eleita em Assembleia Geral do S.C.Farense”, garante.

O mesmo se aplica – diz o autarca - face a uma eventual decisão de englobar ou não o Pavilhão ou o Ginásio-Sede num eventual negócio (como pretendia um dos proponentes), uma vez que esses dois bens estão registados a favor do Clube (ainda que com hipoteca) e resultaram de uma recolha de fundos promovida pelos sócios.

Recorde-se que, essa era aliás a intenção de um dos concorrentes ao São Luís: a proposta, da autoria do grupo Retail Parks de Portugal, SGPS, liderado por Alexandre Alves, foi excluída alegadamente por ter interesse nos edifícios do Pavilhão e Sede, não incluídos no caderno de encargos. Por abranger uma área maior, a proposta era também mais elevada que a da Byte Eficaz, empresa liderada por Mário Rocha, que oferecia 15 milhões de euros mas invocou entre outros motivos a existência do contrato com o actual Pingo Doce para a não-realização do negócio.

Já a Retail Parks propunha-se adquirir todas as infraestruturas por 20 milhões de Euros e como contrapartidas propunha a construção, noutro local próximo, de um estádio com 1.500 lugares, três campos de treino e um ginásio, entre outros equipamentos.

Trocar a relva por um shopping?

Sem querer comentar as propostas, “até porque as desconheço em profundidade”, Apolinário mostra-se apologista de atrair superfícies comerciais para o Centro da Cidade e aponta exemplos no estrangeiro que têm dado resultados.

Em suma, José Apolinário não exclui de todo a hipótese de, no São Luís, poder nascer afinal uma média superfície de comércio: “Tenho muitas dúvidas que um Centro Comercial de dimensão – de 30 mil metros –passe o crivo da avaliação ambiental, mas se calhar um de 10 ou 12 mil metros poderá passar.

[No São Luís] existem 3.000 metros de área comercial autorizada e 5.000 metros quadrados de escritórios. Qualquer coisa economicamente viável que permita passar numa avaliação ambiental, é razoável”, admite. “Mas não se pode obrigar a comissão que foi eleita a assumir um plano que não existe. A Comissão tem de responder perante o que está autorizado”, acrescenta o autarca.

A questão é que para se tornarem “apetecíveis” do ponto de vista financeiro, as grandes superfícies comerciais rondam habitualmente os 25 mil metros.Daí que qualquer promotor que venha a investir na aquisição do Estádio de São Luís tendo em vista um grande espaço comercial terá não só de ter paciência e fazer fé no novo Plano de Pormenor, como ainda aguardar pelo aval de Lisboa (da Agência do Ambiente) face a um Estudo de Impacte Ambiental que analise as condições de tráfego, de ruído e de estacionamento necessárias para este tipo de estruturas.

“Se fosse para um shopping ou uma grande superfície comercial, tínhamos muitos grupos interessados e o valor do Estádio seria bem superior ao que estamos a pedir”, afirmava a semana passada Aníbal Guerreiro, presidente da Comissão de Venda do Estádio de São Luís.

No entanto, no novo concurso que será lançado esta semana, o valor solicitado pelo imóvel deverá ser exactamente o mesmo, 14 milhões de euros, “esticando” no entanto as condições de pagamento, para aliciar um pouco mais os potenciais compradores.

É que o fisco, ainda que receba mais de 700 mil euros por mês ao abrigo do Pacto Extrajudicial de Conciliação, não parece disposto a esperar muito mais tempo para cobrar a dívida do clube, que ascende a perto de 11 milhões de euros.

“Há serviços do Estado que parecem apostados em não encontrar soluções”, desabafa José Apolinário, sem nomear quais. “Eles sabem muito bem quem são”, conclui.


Fonte: Observatório do Algarve

Ouvir

Comments

2 comments to "São Luís poderá ser...mina de ouro!"

Anónimo disse...
1:15 da manhã

Só por mera curiosidade. Quanto valerá o "Complexo Sócio Desportivo de Sporting Clube Farense" (Ginásio Séde) ?
Sede Social com 4 pisos. Restaurante/Bar, Pavilhão com 15OO lugares sentados, Ginásio, Lojas, Garagem.
Complexo único do seu género em Portugal.
Construído por uma Comissão na altura eleita para o efeito, e onde o Clube não investiu um centavo.
Vale certamente mais de 5 milhões de Euros.
E admite-se a possibilidade de integrar "isto" na venda do Estádio?
Está tudo doido, ou quê?

observador farense

Ferreira disse...
4:55 da tarde

vale mais de 5 milhões de euros?
acha?
que utilização tem?
quanto custa fazer um pavilhão novo? 5 milhões? não me parece....

Já temos um novo na cidade e não há dinheiro para o acabar.

Vendia-o e era já! a crise está aí...

 

Copyright 2009 All Rights Reserved Blog Leões de Faro optimizado para 1280 x 768 px