terça-feira, junho 9

Paes do Amaral quer obrigar Farense a vender


10 comentários
Empresa que fez a proposta exige que o Clube assine contrato de compra e venda pelos 5,5 milhões de euros, alegando ter cumprido com tudo o que estava no contrato. Clube diz que mais vale ir à falência.

A Ixilu, empresa que se propôs comprar o Estádio de São Luís, em Faro, por 5, 5 milhões de euros – muito abaixo dos 15 milhões pedidos - diz que o Sporting Clube Farense é obrigado a vender àquele preço e já notificou o clube, instando-o a celebrar o contrato de promessa de compra e venda.

“A nossa era a única proposta que cumpria com todas as formalidades e requisitos, nomeadamente a minuta de contrato de promessa, forma de pagamento e a junção do comprovativo de pagamento do caderno de encargos”, afirma ao Observatório do Algarve Nuno Pereira da Cruz, director jurídico da empresa Edge Group, à qual a Ixilu pertence e da qual Miguel Paes do Amaral é sócio a 50 por cento.

Apesar de o clube ter estabelecido de início um valor mínimo de 15 milhões de euros para a venda dos terrenos, Nuno Pereira da Cruz garante tratar-se de um preço-base, apenas indicativo e não de um preço mínimo: “Nós entendemos que o anúncio não estabelecia um preço mínimo, mas sim um preço de referência, um preço-base como resulta do anúncio publicado”, afirma.

“Não há nada no caderno de encargos que refira que é um preço mínimo e como tal nós oferecemos os 5,5 milhões que nos pareceram um preço justo, tanto mais que o concurso previa a licitação entre as três melhores propostas e isso dava-nos margem para negociar”, diz.

A posição da empresa, que não exclui recorrer aos tribunais, surgiu na sequência da notícia avançada em primeira mão pelo Observatório do Algarve, de que Paes do Amaral tinha sido o primeiro proponente no segundo concurso lançado pelo clube para a venda do Estádio (ver aqui).

Instado a comentar a intenção de obrigar o clube a aceitar os cinco milhões, Carlos Ataíde Ferreira, da Comissão de Venda do Estádio de São Luís, não poupa críticas à empresa: “O preço base é o preço mínimo, se acham que não é vão para tribunal, até agradeço para podermos pedir uma indemnização”, admite.

“Mas admira-nos que o grupo Paes do Amaral, que deve ser sério, aja com esta falta de respeito. Lamentamos tamanha falta de ética do senhor e do grupo que representa”, acrescenta, mostrando-se disponível para um debate na praça pública, sobre o assunto.

“Esta comissão quer salvar o Farense, e esse senhor está-se nas tintas para o Farense, para as pessoas e para Faro. Quer é comprar isto pela tuta mijona e ganhar dinheiro”, diz já exaltado, Carlos Ferreira. “Eu não admito que o preço base de 15 milhões possa ser transformado em 5 milhões. Só na República das Bananas! Mais valia ir à falência do que aceitar isso!”, remata.

Instado a esclarecer a regra em casos semelhantes, o presidente do Conselho Distrital da Ordem dos Advogados, António Cabrita, refere que há geralmente em vendas por carta fechada, um valor-base ou valor mínimo mas que apenas em casos onde está expressa a adjudicação à melhor proposta, a entidade vendedora fica obrigada à venda, qualquer que seja o valor.

António Cabrita salienta, no entanto, não ter conhecimento do clausulado deste caso em concreto, pelo que reforça o carácter não vinculativo da sua opinião: “Às vezes há cláusulas dentro de um mesmo contrato que vão umas contra as outras, e já se sabe que quem perde tenta sempre pegar por onde pode, mas não sei se será este o caso”, desabafa.


Fonte: Observatório do Algarve

Comments

10 comments to "Paes do Amaral quer obrigar Farense a vender"

Miguel disse...
3:30 da tarde

Muito bem dito pelo Carlos Ferreira! Realmente há gente sem vergonha que sabe que o Farense tem a corda ao pescoço e ainda fazem estas coisas...

Força Farense!!!

lmre disse...
3:36 da tarde

por favor digam-me que não nos deixámos enrolar desta maneira, por pormenores jurídicos.....

Jorge Camões disse...
6:53 da tarde

Bom só nos faltava mais esta!!!
Se não foram salvaguardados de forma legal os interesses do Farense estas abutres não vão perdoar! Para estes capitalistas só contam os cifrões! Se foram incompetentes e não se acautelaram legalmente, tamos lixados!!!

Jorge Camões

Anónimo disse...
7:14 da tarde

Pais do Amaral vai pastar, então um cromo destes quer vir para aqui armar-se em macaco, e nós pobres idiotas estamos aqui para aceitar o que um sanguessuga quer.

Podes ficar com o estádio e tudo o resto mas paga os €15.000.000,00

Ass: repulse

TUBARÃOFARENSE disse...
10:08 da tarde

PALHAÇOS

Ferreira disse...
7:31 da tarde

Não é de admirar...
Espero sinceramente que o processo tenha as condições bem definidas, e defenda a posição de não obrigatoriedade de aceitar a melhor proposta, caso contrário entramos numa guerra judicial que vai contra os interesses do Farense.
O Sr. Carlos Ferreira deve estar a ver outro filme, pois se isto vai para tribunal, e com uma das tão famosas providencias cautelares, ficamos inibidos de vender o estádio caso apareça outro interessado sério.

Em relação ao processo de venda e consulta do plano de urbanização teria muito a dizer, mas vou deixar para a assembleia geral.

Anónimo disse...
8:02 da tarde

Cambada de Abutres!

Belão

Anónimo disse...
10:39 da tarde

se esse gajo construir em faro, de manhã pode construir mas à noite nós deitamos a baixo!

Anónimo disse...
7:48 da tarde

Quando é a assembleia geral.?

Anónimo disse...
10:11 da tarde

Com tanta esperteza o grupo do Sr Pais do Amaral até tá a gastar muito dinheiro, pois que pela mesma argumentação tinha oferecido só um milhão ou dez cêntimos e como não há mais nenhuma proposta ficava com o estádio ou até podia combinar com potenciais candidatos a não participarem e dividirem os lucros depois. Valha-nos Deus, que mais nos irá acontecer?

 

Copyright 2009 All Rights Reserved Blog Leões de Faro optimizado para 1280 x 768 px